Skip to content Skip to sidebar Skip to footer

Com a franquia em hiato desde 2017, a longa espera pelo novo simulador da Turn 10 finalmente chegou ao fim. Em 2020, Forza Motorsport foi apresentado pela primeira vez ao público com grandes promessas e uma pequena surpresa no título, agora, sem uma numeração definida.

A expectativa que se criou desde então era de que o jogo poderia funcionar dentro de uma proposta de plataforma em evolução, um local definitivo para amantes de automobilismo com conteúdo constante ao longo da geração. Após mais de 60 horas acelerando em alta velocidade no asfalto quente, será que o jogo alcançou essas expectativas? Vamos lá!

Jogabilidade e interface

Sem dúvida, a jogabilidade é um dos fatores determinantes para definir a qualidade de um bom jogo de corrida. E aqui, Forza Motorsport não desaponta em nenhum momento, com uma jogabilidade extremamente precisa, trazendo uma sensação única de alta-velocidade. Tudo é muito satisfatório e as sensações ao pilotar são extremamente bem definidas. Enquanto controlamos o carro, é possível perceber de forma detalhada quando mínimas coisas acontecem por toda parte estrutural do veículo, como o controle de tração ativando, as marchas entrando e os pneus perdendo aderência durante uma curva. Toda a física dos carros e da pista foi retrabalhada, e fica muito claro o empenho do estúdio em deixar o jogo atraente para aqueles que preferem uma jogabilidade mais simulada, enquanto não abre mão de agradar os mais novatos. O trabalho da Turn 10 foi impecável aqui, e é uma evolução nítida e considerável em relação ao último jogo.

Forza Motorsport/Xbox Originals

Apesar de ter jogado somente no controle, o jogo permite o uso de mouse e teclado (incluindo nos consoles) e tem suporte completo para volantes e cockpits externos, que também parecem estar funcionando de forma mais satisfatória que no Motorsport 7. A interface do jogo é agradável e simples, com um design minimalista e bem definido, deixando fácil até para jogadores inexperientes em jogos de corrida encontrarem onde fica cada coisa. Além disso, o HUD é totalmente personalizável, permitindo ao jogador escolher quais elementos quer ver e quais prefere deixar ocultado na interface durante a corrida, permitindo uma maior imersão de acordo com a preferência do jogador. De maneira geral, é a versão definitiva e aprimorada de todo o conjunto de regras que definiu a identidade visual e a jogabilidade da franquia há quase duas décadas, atingindo o seu ápice.

Forza Motorsport/Xbox Originals

Gráficos, áudio, modelagens e performance

Os gráficos de Forza Motorsport seguem o padrão já conhecido da saga e impressionam muito nos detalhes. As texturas são bem-feitas, os carros são incríveis e os cenários das pistas são muito bonitos. Mas o fator chave que deixa tudo mais interessante no novo jogo é o clima-dinâmico. Iniciar uma corrida de inúmeras voltas em Indianapolis durante o nascer do sol e cruzar a linha de chegada somente ao entardecer debaixo de uma tempestade, é uma sensação indescritível.

A iluminação do jogo é um tópico sensível, pois a impressão inicial é de que a Turn 10 optou por menos extravagância aqui, indo para um lado voltado ao realismo e sem muitos exageros. Na teoria, seriam criadas imagens mais fidedignas dos veículos e das pistas, mas na prática, acaba deixando o jogo levemente apático, principalmente em horários onde o sol está no pico, como ao meio-dia. Em contrapartida, os climas durante o amanhecer e durante a noite, sobretudo acompanhados de chuvas ou de neblina densa, são impressionantes.

Forza Motorsport/Xbox Originals

As pistas foram totalmente reconstruídas do zero, apresentando um número de detalhes impressionante no entorno dos circuitos e maior densidade de vegetação e elementos de composição nos cenários. Como nem tudo são flores, os veículos também tiveram seus modelos retrabalhados, mas não foram todos eles. Modelos antigos, principalmente aqueles não muito utilizados, nitidamente usam moldes reciclados ou apresentam pouquíssimas melhorias em relação as modelagens anteriores, expondo uma discrepância da atenção que foi dada a determinados carros. Esse ainda é um ponto com muito espaço para evolução na franquia Forza como um todo, Horizon e Motorsport.

O design de áudio do jogo é um espetáculo à parte. O som dos motores, dos pneus derrapando, e até o som ambiente da pista são excepcionais. A tecnologia de áudio espacial utilizada é impressionante, permitindo ao jogador entender de forma precisa onde estão os carros adversários somente guiado pelo som. Ao correr próximo aos limites de concreto da pista, por exemplo, é possível ouvir com clareza o som do carro reverberando, ecoando, e voltando em direção ao veículo. Um verdadeiro primor!

Forza Motorsport/Xbox Originals

Quanto à performance, o jogo conta com modos variados nos consoles Xbox, focados em qualidade ou em desempenho. Eu joguei no Xbox Series S e a experiência foi limpa e satisfatória, e apesar de não contar com ray-tracing nessa versão, o jogo apresentou um ótimo desempenho no console de entrada, com zero crashes, boa qualidade de imagem, frames estáveis, nenhum serrilhado e pouquíssimos bugs visuais, em ambos os modos disponíveis aqui.

Modo Carreira e sistema de progressão

Sem muita enrolação, o modo carreira do novo Forza Motorsport é bem pé no chão e não inova muito. Ele é dividido em 4 turnês diferentes, cada uma com 4 campeonatos e um evento bônus de premiação no final de cada turnê. Os campeonatos, por sua vez, são compostos por um número variado de corridas (entre 4 e 6) e possuem diferentes temas, como Super Sedãs, Muscle Clássicos e Hatchs Vintages. Apesar de divertido e de transitar bem entre variados tipos de veículos, esperava mais criatividade aqui. Um modo de carreira que fosse voltado mais para a o aprendizado e crescimento como um piloto profissional, do meu ponto de vista, seria mais interessante do que uma campanha focada somente em campeonatos temáticos. De toda forma, cumpre o seu papel, mas não arrisca em nenhum momento e fica um pouco monótono no final.

Forza Motorsport/Xbox Originals

O “elefante na sala” do novo Forza, é, sem dúvidas, o seu sistema de progressão. Diferente dos jogos anteriores (e talvez de tudo que eu já tenha visto em qualquer jogo tradicional de corrida), você não progride no jogo correndo e ganhando créditos para investir em melhorias nos veículos. Em vez disso, o jogo traz um sistema de níveis, onde cada carro tem o seu próprio, individual e intransferível, que vai do 1 ao 50. Você sobe o nível dos veículos pilotando-os em todos os modos (inclusive nos treinos), ganhando XP enquanto transita pelos segmentos da pista, evitando penalidades e fazendo ultrapassagens. Quanto melhor o desempenho seguindo o traçado em alta velocidade, maior a recompensa de experiência. Após subir de nível, você recebe Pontos de Carro, que são utilizados no menu de customização do veículo para instalar e aprimorar peças, melhorando seu desempenho e aumentando sua classe. Todo esse sistema de escalonamento do jogo lembra muito uma árvore de habilidades, o que nos traz para uma declaração da própria Turn 10 há alguns meses, quando brincou que o termo para definir o novo Motorsport seria “CaRPG”.

Forza Motorsport/Xbox Originals

Não há dúvidas de que essa mudança será a mais divisiva entre os jogadores, tanto para os novatos, quanto para os entusiastas. Particularmente, o sistema me agradou no sentido de valorizar um pouco mais a conexão entre piloto e carro, além de permitir que todos os créditos ganhos durante as corridas sejam utilizados exclusivamente para adquirir novos veículos. Em contrapartida, é um pouco exaustivo ter que correr por muitas horas somente para aprimorar um único veículo, sobretudo quando algumas melhorias estão travadas em determinados níveis, como realizar uma troca de motor, que só fica disponível após o nível 40. Além disso, como a progressão é totalmente individual, mesmo que você possua determinado carro no nível máximo, caso compre outro do mesmo modelo, terá que aumentar o nível dele novamente. O ponto positivo é que todos os pontos gastos em cada um dos carros são totalmente reembolsáveis, permitindo ao jogador restaurar o veículo ao seu padrão e investir em peças diferentes, de forma livre.

É uma tentativa arriscada da Turn 10, e que do meu ponto de vista, deve ser valorizado, o que não a isenta de críticas. O sistema de níveis poderia ser menos cansativo e mais saudável, por exemplo, se fosse atribuído as montadoras e não aos veículos, ou ao menos as recompensas de XP deveriam ser maiores para os jogadores que já possuem carros de uma determinada marca. De uma perspectiva criativa, esse sistema baseado em grinding de níveis transparece a ideia de que foi uma decisão pensada com a intenção de aumentar a longevidade do jogo, o que certamente não vai agradar a todos.

Inteligência artificial, dificuldade e acessibilidade

Forza Motorsport é o jogo mais acessível da franquia, em todos os sentidos possíveis da palavra. Mesmo sendo uma nítida evolução no sentido de jogabilidade simulada em relação ao 7, o jogo também é extremamente amigável com jogadores que pretendem aprender a pilotar. Falando especificamente sobre dificuldade, esse é provavelmente o jogo de corrida com o maior número de personalizações variáveis para definir o nível de desafio que o jogador quer encarar.

Forza Motorsport/Xbox Originals

Tudo é customizável e recompensador. A dificuldade dos oponentes de IA tem 8 níveis: os mais altos fazem os carros alcançarem tempos de volta mais rápidos e pilotarem de forma mais precisa, enquanto os mais baixos os deixam mais suscetíveis a erros e claro, mais lentos, porém, com um bônus menor de pagamento. O comportamento e aprendizado dos carros controlados por inteligência artificial está bem decente, também. Já o Conjunto de Regras define o desafio pessoal para o piloto e o recompensa pela dificuldade, no nível mais alto ativando a simulação de danos de colisão, combustível e pneus, além de penalidades mais severas e desativando o botão de retroceder. O nível mediano mantém o retroceder ativo, mas conta com combustível e pneus simulados e penalidades moderadas, enquanto o nível básico tem apenas danos cosméticos e pouquíssimas penalidades. Também é o jogador que define sua posição no grid de largada, sendo recompensado com um bônus que aumenta proporcionalmente a sua posição (quanto mais atrás largar, maior a recompensa).

Forza Motorsport/Xbox Originals

Toda a parte de assistências de direção também é personalizável, como de praxe: linhas de guia, freios, direção, controles de estabilidade e tração e o câmbio. As novidades estão mesmo dentro das corridas, que agora contam com sessões de treino antes da largada para reconhecimento de pista, com 2 a 3 voltas, e o uso funcional dos boxes para a troca de pneus e reabastecimento de combustível. Antes da corrida, também é possível ajustar o nível disponível de combustível do carro, com níveis menores deixando-o mais leve e ágil na pista e permitindo diferentes estratégias de corrida e paradas técnicas. É importante lembrar que no nível mais baixo do Conjunto de Regras, o combustível e os pneus não são afetados por esses sistemas de simulação.

As configurações de acessibilidade também estão presentes de forma muito completa, incluindo narração de tela, filtros de daltonismo, contraste e ajustes adicionais na interface, legendas, descrição de áudio e um assistente complexo de condução cega. É de se aplaudir quando estúdios trazem essas opções aos seus jogos e permitem que mais pessoas possam aproveitar essas experiências, e a Turn 10 evoluiu nesse sentido.

Multiplayer e outros modos

O modo Multiplayer em Destaque é o núcleo central da experiência multijogador do novo Forza Motorsport. É aqui onde você joga suas corridas de qualificação, que definem o seu nível como piloto e o seu nível de segurança ao conduzir, que agora determinam o matchmaking, colocando pilotos com proximidade na forma de jogar, juntos. Ou seja, se você é um piloto que evita colisões e atalhos correndo fora da pista, o jogo te colocará em filas com outros pilotos que conduzem de forma limpa, o mesmo valendo para o contrário, em casos de pilotos com pilotagem suja e que extrapolam em punições. Pessoalmente, acho uma decisão acertada e muito positiva, que deve tornar as filas mais saudáveis e incentivar um comportamento adequado aos jogadores.

Forza Motorsport/Xbox Originals

As corridas do multiplayer são divididas em 3 fases: treino, qualificação e corrida. Os treinos são utilizados para o reconhecimento de pista, com aproximadamente 10 minutos dedicados. Depois se iniciam as voltas de qualificação (que são apenas 3), onde o objetivo é conseguir a melhor volta, pois o grid da corrida será ordenado pelo desempenho de cada piloto em seu melhor tempo. Em sequência, inicia-se a corrida de fato.

O que torna tudo mais divertido nesse modo, são as novas possibilidades de estratégia envolvendo o uso de diferentes tipos de compostos de pneus e a quantidade de combustível. Os pneus de composto macio possuem a melhor aderência no início da corrida, mas se desgastam rápido, e em corridas mais longas, podem forçar o jogador a ter que ir para os boxes renovar o conjunto, enquanto os pneus duros possuem uma ótima resistência ao desgaste, mas baixa aderência, sobretudo durante as curvas. Já os pneus médios são o ponto de equilíbrio entre aderência e resistência ao desgaste.

Forza Motorsport/Xbox Originals

As corridas no multiplayer também possuem horário definido de início, assim como tempo limite para os treinos e voltas de qualificação, o que torna tudo mais imersivo e realista. Tudo isso combinado às estratégias de boxes, o reconhecimento de pista e a disputa de tempo por posições no grid tornam o modo competitivo e extremamente divertido, sendo um dos pontos mais altos do jogo.

O modo Rivais também está de volta, mas sem grandes mudanças, permitindo ao jogador aprimorar o seu desempenho de volta nos circuitos enfrentando os fantasmas de tempo de amigos e jogadores ao redor do mundo. Já no modo livre, é possível alugar qualquer carro do jogo sem gastar créditos para uma corrida totalmente personalizável, permitindo ao jogador escolher pista, trajeto, condições climáticas, horário do dia, quantidade de oponentes e muito mais.

Considerações finais

Do ponto de vista técnico, Forza Motorsport arranha a linha do impecável. Há poucos jogos no mercado que conseguem oferecer uma qualidade gráfica e de áudio tão altas e ao mesmo tempo entregar mecânicas de física e comportamento tão bem-feitas, pois a tendência é sempre priorizar um dos lados enquanto abre mão de outro. É um simulador com tons de arcade muito agradável, que deixa qualquer entusiasta de automobilismo com um sorriso estampado no rosto, seja um aspirante ou um jogador profissional.

Forza Motorsport/Xbox Originals

Infelizmente, a prioridade pelo desenvolvimento como uma plataforma tecnicamente precisa fez com que o time abrisse mão do investimento no conteúdo, que é um pouco limitado. O simulador chega com uma quantidade bacana de carros, mais de 500 (sendo 100 deles estreantes na franquia), mas com poucos modos de jogo e apenas 20 pistas. E estas, apesar de muito bem-feitas e com variações de formatações de circuito em cada uma delas, são poucas. Quanto ao modo campanha, sinto que ainda é um pouco esnobado pelo estúdio, e realmente desejo que algo semelhante a uma carreira de piloto chegue em algum momento à franquia, o que infelizmente não aconteceu desta vez. As novidades no sistema de progressão, por mais que façam alguns torcerem o nariz, mostram que a Turn 10 não tem medo de arriscar e mesmo após todos esses anos, encontra saídas para evitar a repetição. Já o modo multiplayer é o definitivo de toda a franquia, de longe o que mais traz possibilidades de estratégia, realismo e dinâmica nas disputas.

Com muitos conteúdos já planejados e garantidos para o futuro, como novos carros e outros circuitos muito aguardados (incluindo o autódromo brasileiro de Interlagos), o título faz uma ótima largada em sua estreia, com uma base sólida, e que rapidamente deve se tornar um ponto de encontro para os fãs de automobilismo. Com a dosagem certa de atualizações, é inevitável que Forza Motorsport caminhe para se sentar ao trono e tomar o posto como o rei dos jogos de corrida simcade desta geração.

Forza Motorsport foi cedido gentilmente pela Xbox Brasil para análise.

Forza Motorsport
9.5Excelente
Descrição
Com a franquia em hiato desde 2017, a longa espera pelo novo simulador da Turn 10 finalmente chegou ao fim.

Positivo

  • Gráficos e performance satisfatórios
  • Bom sistema de clima-dinâmico
  • Design de áudio impecável
  • Jogabilidade precisa e física melhorada
  • Multiplayer estratégico e divertido
  • Dificuldade modular e muitas opções de acessibilidade

Negativo

  • Modelos de alguns carros reciclados e sem melhorias
  • Sistema de progressão um pouco cansativo
  • Modo carreira sem novidades expressivas
  • Poucas pistas no lançamento

Deixe um comentário

Sign Up to Our Newsletter

Ritatis et quasi architecto beat

[yikes-mailchimp form="1"]
This Pop-up Is Included in the Theme
Best Choice for Creatives
Purchase Now